Arquivo Mensal setembro 2018

40 años de Alma-Ata

Revista Panamericana de Salud Pública

Número especial sobre atención primaria de la salud en las Américas: a 40 años de Alma-Ata

Hace 40 años, los países miembros de la Organización Mundial de la Salud acordaron en Alma-Ata un conjunto de principios con el propósito de proteger y promover la salud de todas las personas al señalar que la atención primaria de salud es el principio rector de todo sistema de salud integral. Desde la Declaración de Alma-Ata en 1978, los países de la Región de las Américas han registrado enormes progresos, crecimiento económico y mejoras de sus sistemas de salud. No obstante, aún persisten muchos retos en la Región, como la pobreza y la inequidad, los obstáculos que impiden el acceso a la salud, los modelos de atención que son poco eficientes, la segmentación de los sistemas de salud, la fragmentación de los servicios, la insuficiencia de fondos para el sector de la salud y la debilidad de la gobernanza y el liderazgo.

Este número especial de la Revista Panamericana de Salud Pública, que se publica en conmemoración del 40 aniversario de la Declaración de Alma-Ata, presenta los caminos innovadores que los países han seguido para mejorar la atención primaria de la salud, fortalecer sus sistemas de salud, mejorar la salud y el bienestar de sus poblaciones, y enfrentar los desafíos y tendencias emergentes en la Región de las Américas.>

Appreciation / Agradecimiento

The Pan American Journal of Public Health recognizes with appreciation the contributions of the members of the Editorial Committee. Their dedication to this issue on primary health care helped make the manuscripts more interesting, more accurate, and more useful to our readers and all others who work to improve the health of the peoples of the Americas.

La Revista Panamericana de Salud Pública agradece las contribuciones de los miembros del comité editorial. Su dedicación a este número sobre atención primaria de la salud ayudó a tornar los manuscritos más interesantes, más precisos y más útiles para los lectores y los profesionales que trabajan para mejorar la salud de los pueblos de las Américas.

– Ximena Aguilera, Director, Epidemiology and Health Policy Center, Universidad del Desarrollo, Chile
– Mauricio Bustamante, Ex-District Health Secretary, Colombia
– James Fitzgerald, Director, Health Systems and Services, Pan American Health Organization, United States
– Antoine Groulx, Deputy Director-General, Health Services and University Medicine, Ministry of Health and Social Services, Canada
– James Macinko, Professor, Department of Community Health Sciences, University of California, United States
– Hernan Montenegro, Coordinator, Services Organization and Clinical Interventions, World Health Organization, Switzerland
– Sergio Minué, Specialist in Family and Community Medicine, Professor, Escuela Andaluza de Salud Pública, Spain
– Tomás Pantoja, Associate Professor, Department of Family Medicine, Pontificia Universidad Católica, Chile
– Jacqueline Ponzo, President, Family and Community Medicine Society, Uruguay

Promoting universal health through primary health care [Promover la salud universal a través de la atención primaria de la salud]

Carissa F. Etienne
Editorial | PDF English-Spanish: https://doi.org/10.26633/RPSP.2018.145 | Published 24 September 2018

La atención primaria de salud en la Región de las Américas a 40 años de la Declaración de Alma-Ata [Primary health care in the Region of the Americas 40 years after the Alma-Ata Declaration]

Gisele Almeida, Osvaldo Artaza, Nora Donoso and Ricardo Fábrega
Opinion and analysis | PDF: https://doi.org/10.26633/RPSP.2018.104 | Published 24 September 2018

Lógicas de transformación de los sistemas de salud en América Latina y resultados en acceso y cobertura de salud [Types of health systems reforms in Latin America and results in health access and coverage]

Ernesto Báscolo, Natalia Houghton y Amalia Del Riego
Original research | PDF: https://doi.org/10.26633/RPSP.2018.126 | Published 24 September 2018

Atenção primária à saúde e territórios latino-americanos marcados pela violência [Primary health care and Latin-American territories marked by violence]

Ana Elisa Medeiros Barbar
Opinion and analysis | PDF: https://doi.org/10.26633/RPSP.2018.142 | Published 24 September 2018

Impact of training primary care physicians in behavioral counseling to reduce cardiovascular disease risk factors in Ecuador [Repercusión de la capacitación de médicos de atención primaria en orientación sobre el comportamiento para reducir los factores de riesgo de sufrir enfermedades cardiovasculares en Ecuador]

Manuel E. Baldeón, Marco Fornasini, Nancy Flores, Philip A. Merriam, Milagros Rosal, Juan C. Zevallos, and Ira Ocken
Original research | PDF: https://doi.org/10.26633/RPSP.2018.139 | Published 24 September 2018

Chile: nuevos desafíos sanitarios e institucionales en un país en transición [Chile: New health and institutional challenges in a country in transition]

Constanza Forascepi Crespo
Special report | PDF: https://doi.org/10.26633/RPSP.2018.137 | Published 24 September 2018

Formación y competencias para los equipos de atención primaria desde la mirada de expertos chilenos [Training and competencies for primary care teams from the perspective of Chilean experts]

Angelina Dois, Paulina Bravo, Aixa Contreras, María Gabriela Soto and  Isabel Mora
Original research | PDF: https://doi.org/10.26633/RPSP.2018.147 | Published 24 September 2018

Capacidad de respuesta de la atención primaria en salud mental en Chile: una contribución a Alma-Ata [Mental health response capacity in primary care in Chile: a contribution to Alma-Ata]

Alberto Minoletti, Gonzalo Soto-Brandt, Rafael Sepúlveda, Olga Toro and  Matías Irarrázaval
Special report | PDF: https://doi.org/10.26633/RPSP.2018.136 | Published 24 September 2018

Participación de los usuarios en las decisiones clínicas en la atención primaria de salud en Chile [User participation in clinical decision-making in primary health care in Chile]

Paulina Bravo, Angelina Dois, Aixa Contreras, Gabriela Soto and Isabel Mora
Original research | PDF: https://doi.org/10.26633/RPSP.2018.133 | Published 24 September 2018

La atención primaria de salud como fundamento de la reforma de salud salvadoreña [Primary health care as the foundation for Salvadorian health system reform]

Antonio Hernández Reyes
Opinion and analysis | PDF: https://doi.org/10.26633/RPSP.2018.130 | Published 24 September 2018

A teoria da equidade reversa se aplica na atenção primária à saúde? Evidências de 5 564 municípios brasileiros [Does the inverse theory hypothesis apply to primary health care? Evidence from 5 564 Brazilian municipalities]

Raphael Mendonça Guimarães
Original research | PDF: https://doi.org/10.26633/RPSP.2018.128 | Published 24 September 2018

Evaluación del impacto sanitario del Programa Estaciones Saludables en la Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina [Health impact assessment of the Program Healthy Centers in the Autonomous City of Buenos Aires, Argentina]

Natalia Elorriaga, Osvaldo Ulises Garay, María Belizán, Verónica Beatriz González, María Laura Rossi, Martin Chaparro, Joaquín E. Caporale, Marina De Ruggiero, María Cecilia Antún, Andrés Pichon-Riviere, Adolfo Rubinstein, Vilma Irazola and Federico Augustovski
Original research | PDF: https://doi.org/10.26633/RPSP.2018.150 | Published 24 September 2018

Experiencias, beneficios y desafíos del uso de geoprocesamiento para el desarrollo de la atención primaria de salud [Experiences, benefits and challenges of the use of geoprocessing for the development of primary health care]

Elizabeth Angélica Salinas Rebolledo, Francisco Chiaravalloti Neto and Leandro Luiz Giatti
Review | PDF: https://doi.org/10.26633/RPSP.2018.153 | Published 24 September 2018

Are we making a difference in primary care for adults with intellectual and developmental disabilities? [¿Estamos logrando un cambio en la atención primaria a adultos con discapacidades intelectuales y del desarrollo?]

Hélène Ouellette-Kuntz, Glenys Smith, Casey Fulford and Virginie Cobigo
Original research | PDF: https://doi.org/10.26633/RPSP.2018.154 | Published 24 September 2018

Como a atenção primária à saúde pode fortalecer a alimentação adequada enquanto direito na América Latina? [Can primary health care strengthen the right to adequate food as a human right in Latin America?]

Fernanda Cangussu Botelho and Ivan França Junior
Opinion and analysis | PDF: https://doi.org/10.26633/RPSP.2018.159 | Published 24 September 2018

Salud mental comunitaria, atención primaria de salud y universidades promotoras de salud en Ecuador [Community mental health, primary health care and health promoting universities in Ecuador]

Publicado no site –https://www.paho.org/journal/

Abrasquianos pautam na imprensa o espaço da saúde nos programas de governo dos presidenciáveis

Lançado há duas semanas, o estudo “A saúde nos programas dos candidatos à Presidência em 2018” vem pautando diversas matérias da imprensa sobre o espaço da saúde na corrida presidencial. Escrito por Mário Scheffer, Ligia Bahia e Ialê Falleiros Braga, integrantes da Comissão de Política, Planejamento e Gestão em Saúde, o documento analisa programas e plataformas eleitorais do candidatos ao cargo máximo da República registrados no Tribunal Superior Eleitoral e disponíveis na seção Propostas de governo dos candidatos ao cargo de Presidente da República no site Eleições 2018.

Somente nas redes sociais da Abrasco, a postagem de divulgação do estudo alcançou mais de 30 mil pessoas, com mais de 500 compartilhamentos. A qualidade e a repercussão do estudo chamaram a atenção de diversos jornalistas. Leia mais aqui.

Nota publicada no boletim informativo da ABRASCO 

Esmagado entre austeridade e interesse privado, SUS é indispensável

Entre os países que contam com um sistema universal de saúde, o Brasil é o único em que o gasto privado supera o público

A combinação de recessão, desemprego e redução drástica dos gastos públicos nas áreas social e da saúde desencadeou sofrimento em grande escala nos últimos anos, ao sujeitar milhões de pessoas fragilizadas pela piora das condições de vida a um sistema estatal que, além de padecer de insuficiência financeira crônica, foi submetido também a cortes de insumos e medicamentos e a péssimas condições de trabalho dos seus funcionários.

O resultado são o aumento da mortalidade materna e infantil, esta após 26 anos de queda contínua, a diminuição da vacinação e o ressurgimento de endemias e epidemias há décadas suprimidas ou controladas, obras autorais do governo iniciado em 2016 que é responsável ainda pela aceleração da drenagem de recursos públicos em benefício do sistema financeiro e da saúde privada, mostraram os expositores e debatedores do XIII Encontro Nacional de Economia da Saúde, realizado em Brasília no mês passado pela Associação Brasileira de Economia da Saúde (ABrES).

A política de austeridade força os limites de um sistema submetido a financiamento insuficiente há no mínimo 30 anos, desde a criação do Sistema Único de Saúde (SUS) pela Constituição de 1988. A causa principal do desbalanceamento sistemático é a drenagem ininterrupta e crescente de recursos do governo para pagamento de juros da dívida pública ao setor financeiro, chamou atenção Áquilas Mendes, professor de Economia Política da Saúde da USP e da PUC-SP.

Leia também:
Uma economia quebrada à espera da eleição

Entre 1995 e 2016, disse, o gasto anual do Ministério da Saúde não foi alterado, mantendo-se em 1,7% do PIB, enquanto o desembolso médio com juros da dívida atingiu, em média, 6,6%. A contrapartida da compressão sistemática das despesas públicas com saúde nas últimas décadas foi o avanço significativo do gasto privado no setor, em especial nos governos FHC. Considerando-se União, estados e municípios os desembolsos público e o privado como proporções do PIB atingiram 2,8% e 1,4% em 1993; 3,2% e 3,9% em 2002; 3,9% e 4,2% em 2014, mostrou Mendes.

Entre os países com sistema universal de saúde o Brasil é o único em que o gasto privado supera o público, enquanto nos demais o desembolso do Estado representa cerca de 60% do total. Hoje, quem define o rumo de políticas para a saúde no Brasil é o setor privado, ao contrário do que ocorria nos anos 1980. A situação é o avesso daquela dos países europeus, com estruturas majoritariamente públicas e gastos governamentais em torno de 80% do total.

A penúria do setor deverá aumentar nos próximos anos. Sob efeito da Emenda Constitucional nº 95 aprovada em 2016 para garantir a contenção radical de gastos, os recursos federais alocados para o SUS cairão até 2036, de 1,7% para 1,2% do PIB, com graves danos à saúde pública nos estados e municípios, projetam Francisco Funcia, consultor do Conselho Nacional de Saúde e da Fundação Getulio Vargas, e Carlos Octávio Ocké-Reis, economista e técnico de planejamento e pesquisa do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada.

Outro mecanismo de ampliação da saúde privada à custa do Estado é o alto volume de renúncia fiscal. Entre 2003 e 2015, o que o Estado deixou de arrecadar no setor oscilou entre 11,7% e 22,2% da renúncia total, calculam Ocké-Reis e Artur Monteiro Prado Fernandes, também do Ipea.

Protagonista da crise generalizada do País, a judicialização também afeta o setor. “Desde 1990 houve um aumento exponencial das ações judiciais para os usuários acessarem produtos, tecnologias e medicamentos. O número de processos judiciais em saúde pública e saúde suplementar nos estados de São Paulo, Minas Gerais, Paraná, Mato Grosso do Sul, Rio Grande do Norte e Acre atingiu 27,3 milhões em 2012”, chamou atenção Fabíola Sulpino Vieira, especialista em políticas e gestão governamental do Ipea.

Inúmeras situações envolvem conflitos de interesses, caso do medicamento Nusinersen para tratamento de atrofia muscular espinhal, doença degenerativa rara. O preço de fábrica da ampola é 297 mil reais e cada tratamento requer ao menos seis ampolas, com custo anual de 1,78 milhão por paciente.

Há cem pessoas tratadas gratuitamente pelo SUS com esse remédio por força de ação judicial e o fabricante propôs a negociação do teto de gasto público para o governo custear a medicação de até 300 pacientes e o que passasse disso a indústria pagaria.

Sexto maior mercado de medicamentos do mundo, o Brasil importa 77% das matérias-primas usadas pelo setor. “É um dos mercados mais atraentes, há uma pressão muito grande e a judicialização é um mecanismo para forçar o Estado a gastar”, disparou Fabíola.

A ação dos interesses privados sobre a saúde pública atinge hoje o auge desde 40 anos atrás, quando governos e instituições de 134 países firmaram a compreensão de que as doenças têm também entre as suas causas fatores sociais, como as condições de vida e de trabalho.

O entendimento ocorreu na Conferência Internacional em Atenção Primária promovida pela Organização Mundial da Saúde em Alma-Ata, no Cazaquistão, então integrante da União Soviética, e seus participantes definiram que um dos principais objetivos deveria ser a conquista até o ano 2000 de um nível de saúde que permitisse a toda a população mundial ter uma vida social e economicamente produtiva.

Eduardo Levcovitz, professor do Instituto de Medicina Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro e ex-representante da Organização Mundial da Saúde no Uruguai, um dos palestrantes do evento realizado em Brasília, lembra-se do que disse o diretor-geral da OMS, Halfdan Mahler, em entrevista concedida depois do encontro no Cazaquistão: “Não faz nem 48 horas que a conferência acabou e os crocodilos já estão de boca aberta para devorar a saúde de todos no ano 2000”.

A referência à voracidade e ao atavismo das forças contrárias à saúde pública reforça a importância de se levarem conta fatores históricos e estruturais na análise das ameaças ao SUS que incluem, na análise de Levcovitz, a fragilidade da coalizão política de sustentação do Sistema, seu subfinanciamento crônico, os avanços muito lentos na transformação do modelo de atenção básica e a inviabilização do exercício da função de gestão em todos os níveis sob as leis das licitações e da responsabilidade fiscal.

Leia também:
O País é como um doente em estado grave, aponta livro
Desemprego e violência levam calamidade ao Nordeste

O enfraquecimento do Estado viabilizou, por exemplo, a institucionalização por governos e tribunais do entrechoque de interesses públicos e privados expresso nas controvertidas Organizações Sociais. Criadas por FHC para supostamente beneficiar o sistema estatal com a capacidade privada de gestão, as OS pretendem-se sem fins lucrativos, mas isso é só um aspecto formal, pois na prática instalam uma competição econômica por contratos, dizem seus críticos.

Alvos de CPI em São Paulo e de questionamentos na Justiça em vários estados, as OS funcionam de fato como porta dos fundos para o acesso do interesse econômico privado, conclui-se também deste trecho da palestra do consultor Francisco Funcia: “Há um dispositivo na lei de responsabilidade fiscal que diz que a contratação de terceiros deve ser computada como outras despesas de pessoal, ou seja, entra no limite de gastos. Aí o estado de São Paulo, principalmente o Tribunal de Contas, saiu-se com uma interpretação do tipo salto triplo carpado e disse o seguinte: ‘Se estiver contratando o serviço e não só os profissionais de saúde, então não entra no limite’. E aí virou essa proliferação que para mim não é mais contratação de profissional de saúde, mas de tudo: compra de material, compra de serviços etc. É preciso discutir a questão política de como se regulam as OS, pois hoje estão completamente desreguladas”, dispara Funcia.

Apesar de estigmatizado pelas chamadas elites e esmagado pela política de austeridade do governo, o sistema público de saúde presta serviços inestimáveis da base ao topo da pirâmide de renda, mostram os exemplos de um programa municipal e do atendimento nos prontos-socorros dos hospitais estatais.

Segundo pesquisa realizada por Melissa Spröesser Alonso, da Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais e Fundação Perseu Abramo, a implantação de um programa da prefeitura do município paulista de Mauá em parceria com a ONG Grupo União da Saúde sem Fronteiras resultou em aumento da cobertura da rede de atenção básica, de consultas e visitas domiciliares, do número de pacientes com acompanhamento e controle de diabetes e hipertensão e redução da mortalidade de crianças de até 1 ano, entre outros efeitos.

“Apesar de enfrentarem problemas gigantescos, os hospitais públicos têm os melhores e mais eficientes serviços de emergência para atender politraumatizados e acidentados, por contarem com equipes praticamente completas com neurocirurgião, cirurgião geral, paramédicos e auxiliares. Os hospitais privados raramente têm essa estrutura, porque ela é muito cara, o custo é lá em cima”, sublinha o ex-ministro da Saúde José Agenor Álvares.

Que o digam o candidato Jair Bolsonaro, atacado dia 6 em Juiz de Fora, Minas Gerais, e atendido na Santa Casa de Misericórdia e os apresentadores de tevê Luciano Huck e Angélica feridos em pouso forçado em 2015 e socorridos na Santa Casa de Campo Grande, em Mato Grosso do Sul.

Nota publicada na Revista Carta Capítal – https://www.cartacapital.com.br/revista/1021/esmagado-entre-austeridade-e-interesse-privado-SUS-e-indispensavel

SBMFC – Nota de repúdio: declaração de Alexandre Garcia sobre queda na taxa de vacinação

NOTA PUBLICADA PELA SBMFC

A Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade repudia as declarações do jornalista Alexandre Garcia, que recentemente, ao argumentar sobre as fake news, responsáveis pela queda da taxa de crianças vacinadas, diz que, “segundo um pediatra conhecido, os postos de saúde do Brasil estão destituídos de pediatras e que os médicos de família, um novo tipo de medicina, se esquecem da puericultura e que não estão preparados”. 

A Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, entidade que representa os médicos de família e comunidade que atuam no país e atualmente são mais de cinco mil profissionais qualificados, esclarece que:

A Medicina de Família e Comunidade não é uma especialidade nova, tendo sido reconhecida pelo Conselho Federal de Medicina em 1986 com o nome de Medicina Geral e Comunitária e posteriormente atualizado para Medicina de Família e Comunidade como é em grande parte dos países das Américas, incluindo os EUA, e Europa. A base de atuação do médico de família e comunidade a Atenção Primária à Saúde no Brasil e os médicos se tornam especialistas no Brasil por meio de residência ou a partir de prova de título. Importante destacar que foi a necessidade de aperfeiçoamento para suprir as carências da população nos níveis primários da atenção à saúde fez com que, em 1976, fosse criado os primeiros Programa de Residência Médica (PRM) em Medicina de Família e Comunidade.
 
O especialista em Medicina de Família e Comunidade está apto a acompanhar o indivíduo desde antes do nascimento, na gestação, até os últimos momentos de vida e dispensa cuidados integrais ao paciente sempre com foco na pessoa e não na doença. Por isso, tem a plena capacidade de exercer a puericultura, que não é apenas papel do pediatra, conforme citação feita no áudio. E pelo acompanhamento, é também papel deste profissional fazer acompanhamento da carteira de vacinas, orientando os pais sobre a importância das vacinas e sobre os riscos das doenças caso a criança não seja vacinada.
 
Os médicos de família e comunidade (MFCs) são treinados para terem as competência necessárias para solucionar os 90% dos problemas de saúde mais frequentes das pessoas sob seu cuidado, seja em consultórios, ambulatórios, Unidades Básicas de Saúde, Clínicas de Família, Serviços de Emergência, Pronto- Socorro, independentemente da esfera: pública, privada ou suplementar.
 
Os médicos de família e comunidade buscam a alta resolutividade nos problemas de saúde com o olhar voltado para o indivíduo, família e comunidade. Acompanham as pessoas ao longo da vida, independentemente do gênero, idade ou presença ou ausência doença, integrando ações de promoção, prevenção e recuperação da saúde. Esse profissional atua próximo aos pacientes antes mesmo do surgimento de uma doença, realizando diagnósticos precoces e os poupando de intervenções excessivas ou desnecessárias.
 
No Brasil, destaca-se a atuação do MFC na Saúde da Família,  principal estratégia do Ministério da Saúde para reorientar o modelo de atenção à saúde da população a partir da atenção primária. As equipes são multidisciplinares, formadas médicos, enfermeiros, dentistas, técnicos ou auxiliares de enfermagem e agentes comunitários de saúde que, junto as comunidade, desenvolvem ações de cuidado direto, educativas, de diagnóstico de doença, tratamento, recuperação e reabilitação. Atualmente existem 40 mil Equipes de Saúde da Família implantadas e a execução da ESF é compartilhada pelo governo federal, estados, Distrito Federal e municípios. 
Existem estudos no país retrospectivos comparando os indicadores de mortalidade apos advento da Estratégia de Saúde da Família com os serviços de saúde que anteriormente contavam apenas com presença somente de pediatras, bem como estudos avaliando os indicadores de cobertura vacinal e mortalidade infantil com a implantação da ESF.
Os resultados são taxativos, a ESF não só ampliou os niveis de cobertura vacinal como reduz a mortalidade infantil como também é superior aos serviços anteriores. Portanto, está equivocada a fonte de Alexandre “seu amigo pediatra” e ressaltamos que pra além de garantir financiamento público adequado para o SUS, é preciso deixarmos de lado o corporativismo falacioso e formar cada vez mais médicos de família e comunidade, melhorando ainda mais a ESF.”
Nota publicada no site da SBMFC – http://www.sbmfc.org.br/

Tempestade perfeita ameaça saúde no Brasil

Tempestade perfeita ameaça saúde no Brasil, alerta Ligia Bahia

Aumento da mortalidade infantil, redução da cobertura vacinal, epidemias variadas, violência maior, retrocessos no combate à Aids, às doenças mentais, nas políticas sobre drogas. Cortes nos orçamentos, nos programas sociais, desemprego enorme, achatamento nos salários, pesquisas paradas. O conjunto aponta para uma situação muito perigosa. O alerta é de Ligia Bahia, médica sanitarista, membro da Comissão de Política, Planejamento e Gestão da Abrasco em entrevista ao Tutameia – um serviço jornalístico criado por Eleonora de Lucena e Rodolfo Lucena.

“Está se anunciando, infelizmente, uma tempestade sanitária perfeita. A gente vai fazer uma pororoca. Tínhamos graves problemas. Alguns estavam sendo atenuados e estávamos indo para frente. Teremos um retrocesso que vai encontrar os problemas sobre o quais ainda não tínhamos conseguido ter solução. Isso tem que ser chamado de bomba, tempestade perfeita”.

Ligia recorre a “termos catastróficos, com os quais economistas tratam as políticas sociais e atacam, por exemplo, a previdência ”. E afirma: “Isso, sim, é que é o desastre. Esse desastre está sendo claramente provocado. É austericídio mesmo. Está ocorrendo na Grécia e em outros países. Estamos vendo isso no Brasil”.

A médica fala da “emenda da morte” –que congelou gastos: “Ela fará com que os indicadores sociais, as políticas sociais no Brasil, que já não são essa beleza, regridam. Virou senso comum a ideia de que estamos melhorando, ainda que de forma lenta. Mas, veja, pode haver regressão. Houve isso na Rússia, quando a URSS se dissolveu e houve uma recessão econômica muito grande. A Rússia perdeu cinco anos de esperança de vida. As políticas sociais são fundamentais para a melhoria das condições de vida e para o prolongamento a vida. A Previdência é fundamental para a longevidade”.

Ligia lembra de como, em anos anteriores, as melhorias na economia e os programas sociais tiveram um impacto enorme na saúde da população. “Aumentar o salário mínimo, a Bolsa Família e aumentar o emprego formal foi sensacional. A mortalidade infantil diminuiu aceleradamente. O pais foi o que teve a maior taxa de aceleração de diminuição da mortalidade infantil”.

PERDA DE SOBERANIA E DESNACIONALIZAÇÃO

Doutora em saúde pública pela Fundação Oswaldo Cruz, Ligia critica a “perda de soberania” na área de saúde. Isso se revela nos embates com farmacêuticas e empresas que atuam mundialmente na área. Não ter uma política pública em várias frentes –também na pesquisa—e ceder aos gigantes do setor é “jogar dinheiro pelo ralo”, diz.

Ligia considera preocupante a crescente desnacionalização do setor. Enfatiza que os grupos financeiros que passaram a atuar na saúde estão focados no curto prazo e podem não ter compromisso com a preservação de serviços e no atendimento à população.

Nesta entrevista ao TUTAMÉIA, ela dissecou a saúde no Brasil. Avaliou os 30 anos de criação do SUS (Sistema Único de Saúde), uma das maiores conquistas da Constituição de 1988. Analisou o avanço do setor privado na área, com apoio e subsídio estatal. Defensora da saúde pública, ela faz o seu balanço:

“Ganhamos, mas não levamos inteiramente. O projeto do SUS, generoso e democrático, ficou de pé. É verdade que tem problemas de atendimento, de acesso. Mas o setor privado também tem. Há muita insatisfação com saúde, pública e privada. Mas não temos um setor público falido e horroroso e um setor privado maravilhoso”.

PRINCESA TEM FILHOS NO HOSPITAL PÚBLICO

Na sua avaliação, se a decisão tivesse sido feita no sentido de concentrar tudo no setor público –e não subsidiar o privado–, “estaríamos muito melhor”. Segundo ela, os países que têm um sistema público universal gastam menos com saúde relativamente e têm melhores condições”.

O Reino Unido é um exemplo. Acaba de comemorar com festa os 70 anos de seu sistema público universal de saúde. “Gasta menos e tem indicadores de saúde muito melhores. A princesa Kate tem filho no mesmo lugar que as outras mulheres têm”, afirma Ligia. E completa: “Do ponto de vista de eficiência, da efetividade, da eficácia, em todas as métricas o sistema universal é melhor”.
Ao historiar o sistema de saúde nos últimos 30 anos, a médica lembra que o Banco Mundial chegou a vaticinar que o SUS era inviável.

Hoje, diz, a instituição prega a existência de uma cobertura universal, não necessariamente pública. E a conversa vai para o avanço da privatização do sistema –sempre com o apoio de dinheiro púbico. Fala da ação de empresários com o poder político, e suas articulações na agência do setor.

PLANO ZIRIGUIDUM

E vamos para os planos privados, sempre tão criticados. Ligia:
“Plano privado de saúde é caro no mundo todo e não é para a classe média. Pessoas como eu, em qualquer pais do mundo não têm plano privado. E fica na fila. A classe média no Brasil é contraditória: quer que o filho estude na escola privada, mas que faça faculdade pública. Quer ter plano, mas não quer deixar de ter SUS”.

Para ela, “as empresas estão navegando em céu de brigadeiro. A classe média está refém do plano, e os reajustes são absurdos. Há insatisfação e desilusão em relação ao que se paga e sobre as garantias de coberturas. Há planos e planos. Esse plano que sai na propaganda –com Einstein e Sírio—é só para 5% das pessoas que têm plano. A maioria das pessoas sofre certa humilhação, constrangimentos: o plano não cobre, o quarto é menor etc. É um plano ziriguidum. A maioria das pessoas que tem plano tem aporrinhação com o plano. Esses constrangimentos são ruins e isso não ocorre no sistema público.

E qual a solução? “É o sistema público, mais universal e solidário”.

NAZISMO VERSUS IGUALDADE

Nesta entrevista, Ligia fala de aborto, da onda de cesárias, do movimento contra vacinas, de erros em campanhas públicas, das faculdades de medicina, do programa Mais Médicos, da atuação de interesses privados, dos “ataques absurdos que a UFRJ está sofrendo por causa do incêndio no Museu Nacional”.

Trata de retrocessos, do clima de intolerância no país em várias áreas. Cita, por exemplo, o apoio à visão de que crianças com alguma deficiência devam estudar separadamente. “A eugenia, a ideia de que há normais e anormais, que há quem mereça viver e quem não mereça –tudo isso volta com muita força neste momento. É a ideia da sociedade dos saudáveis. Perigosamente nazista. Tudo isso é muito ruim. Os valores de solidariedade estão sendo completamente pisados”.

Em detalhes, Ligia, traça um diagnóstico amplo do setor da saúde. E aponta saídas para o país superar esse momento de desmonte e crise. Seu ponto fulcral: “A saúde é fundamentada na igualdade”.

CINCO PONTOS PARA A SAÚDE MELHORAR

Pensando na hipótese de um novo governo progressista, perguntamos a Ligia sobre cinco passos essenciais para a melhora da saúde no Brasil. Ela respondeu:

1.Ter um ministro e equipe fortes, como foi, no passado, Adib Jatene. Ter pessoas que tivessem protagonismo, o que facilitaria a negociação com o legislativo e com a área econômica na disputa de recursos. “Trazer, por exemplo, um Drauzio Varella, por mais polêmico do que isso possa ser”, diz.

2. ter porosidade para ouvir os problemas dessa saúde do país.

3. Desfragmentar as políticas sociais. “Não é possível o Minha Casa Minha Vida que não tenha prioridade para quem é deficiente físico. A política de cultura tem que abarcar os grupos identitários, inclusive os loucos. Os loucos culturalmente têm muito a dizer para todos nós. As políticas têm que conversar entre si, talvez criando um polo de aglutinação, como quis fazer o Ministério das Cidades no primeiro governo Lula”.

4. Estabelecer prioridades claras. Uma prioridade epidemiológica. Não é de marca, mais uma UPA, mais aquilo. Isso é um meio para resolver. Tem que priorizar. Pode ser câncer de mama, de colo de útero. Mostrar que vamos diminuir e vamos fazer assim. São prioridades políticas. O Ministério da Saúde não é para construir obras, não é ministério das obras. É para definir políticas de saúde.

5. Dedicar maior atenção com os profissionais de saúde. Definir uma melhor remuneração em troca de mais trabalho. Não será fácil. É preciso ter uma negociação muito clara com sindicatos. Ter servidores públicos tenham compromisso público, sejam capacitados e valorizados. O Canadá conseguiu fazer isso.

 

Artigo publicado pela ABRASCO – https://www.abrasco.org.br/site/outras-noticias/sistemas-de-saude/tempestade-perfeita-ameaca-saude-no-brasil-alerta-ligia-bahia/37176/

 

Utilização de Medicinas Alternativas e Complementares na atenção primária à saúde de Florianópolis: percepção de usuários

Apresenta-se análise parcial dos resultados de pesquisa que investigou as percepções de usuários sobre o uso institucional de Medicinas Alternativas e Complementares (MAC) nos centros de saúde de Florianópolis. Realizaram-se entrevistas semiestruturadas com usuários tratados com MAC nos locais com maiores ofertas, usando como referencial teórico-metodológico a teoria fundamentada em dados. Na sua maioria, o uso de MAC era proposto pelos profissionais da atenção básica (operadores do cuidado biomédico), inicialmente de forma alternativa e preferencial à biomedicina, e houve comum preferência dos entrevistados por essa forma de uso, devido aos menores efeitos colaterais atribuídos às MAC. Usuários referiram diálogo aumentado com os profissionais devido à negociação sobre as forma de tratamentos. Emergiu a hipótese de que as MAC podem ser um tratamento alternativo inicial em parte significativa dos casos, ficando o convencional como retaguarda para uso posterior se necessário, ou complementar ou único em outras situações. Isso permite esboçar um fluxo ampliado da presença das MAC na atenção primária à saúde. Novas pesquisas e experiências institucionais são necessárias para investigação dessa hipótese, que amplifica o uso das MAC numa ‘ecologia de cuidados institucionais’.

Palavras-chave : Medicina integrativa; Terapias complementares; Atenção primária à saúde.

Autores:  Amada Faqueti e Charles Tesser 

Leia artigo completo – artigoSetembro

Artigo publicado na Revista Ciência Saúde & Coletiva de agosto 2018 – http://www.cienciaesaudecoletiva.com.br/

Outra saúde – ALMA-ATA: 40 ANOS

Em 12 de setembro de 1978 aconteceu o encerramento de uma conferência que foi o divisor de águas para o conceito de direito humano à saúde. Trata-se de Alma-Ata. Realizada pela Organização Mundial da Saúde e pela Unicef, reuniu representantes de 134 países no Cazaquistão, que integrava, então, a União Soviética. A Declaração aprovada no encontro estabeleceu uma meta ousada: saúde para todos no ano 2000.

Para chegar lá, a principal estratégia seria estruturar sistemas de saúde públicos, com ênfase na atenção primária. Mais do que construir hospitais, a estratégia imprimia uma lógica que invertia as prioridades, colocando prevenção de doenças e promoção da saúde no centro. Uma nova abordagem, portanto, que se ligava à compreensão de que a diferença entre saúde e doença ia além de um patógeno. Deveria ser compreendida a partir de determinantes sociais que ultrapassam o setor saúde – como as condições de trabalho a que as pessoas são submetidas, sua renda, se os locais de moradia têm saneamento, são servidos de transportes, etc. No plano institucional, Alma-Ata significou uma renovação de compromisso. De acordo com o Health and Human Rights Journal, a Declaração se tornou crucial para o reengajamento da OMS, cujo estatuto, de 1948, tem na promoção do direito à saúde uma missão.

A comemoração oficial dos 40 anos de Alma-Ata está marcada para outubro. Entre os dias 25 e 26, acontece a Conferência Global de Atenção Primária à Saúde em Astana, no Cazaquistão.  

Notícia divulgada pelo site – http://outraspalavras.net/outrasaude/

Curso EAD de Qualificação do Processo de Trabalho e Gestão da Atenção Primária à Saúde

Estão abertas as inscrições para a terceira edição do curso a distância de Qualificação dos Processos de Trabalho e Gestão da Atenção Primária à Saúde (APS). Com o objetivo de oferecer subsídios para a realização de análise do processo de trabalho das equipes e gestão municipal da APS, serão apresentadas ferramentas para melhorar a prática dos processos de trabalho.

Público-alvo: profissionais de nível superior e Gestores da Atenção Primária à Saúde (APS) que atuem em Unidades Básicas de Saúde (UBS), Estratégias de Saúde da Família (ESF), Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASF) e/ou Secretaria de Saúde, bem como estudantes de graduação e pós-graduação.

O curso é gratuito e será totalmente ministrado na modalidade EAD através da plataforma de ensino e aprendizado à distância – Moodle TelessaúdeRS-UFRGS. O certificado será emitido pelo Portal de Extensão da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), somente de forma eletrônica, com valor único a ser pago de R$4,00.

As inscrições vão até dia 13/09  ou até esgotarem as vagas.

DATA/PERÍODO DO CURSO: 03/09/2018 a 24/10/2018

VAGAS: 5000

LOCAL: Plataforma Moodle TelessaúdeRS-UFRGS (https://moodle.telessauders.ufrgs.br)

INSCRIÇÕES: 03/09/2018 a 12/09/2018

Clique aqui para baixar o Manual do Curso completo em PDF

PROGRAMA:

Atividade

Ambientação e pré-teste

Módulo 1 – Desafios para qualificação da APS

Módulo 2 – Ampliação do acesso na APS – a proposta do acolhimento

Módulo 3 – Ampliação do acesso na APS – acesso avançado

Módulo 4 – Modelo de Atenção às Condições Crônicas (MACC)

Módulo 5 – Ofertas/Atividades da Equipe

Módulo 6 – Gestão da Atenção Básica/APS

Avaliação Final

Emissão de certificados

A agenda política estratégica da Rede de Atenção Primária à Saúde no SUS

A Rede de Pesquisa em Atenção Primária à Saúde – APS da Abrasco produziu uma  no SUS que expressa a opinião da Rede em um contexto de ameaças aos princípios e diretrizes do Sistema Único de Saúde e da Estratégia Saúde da Família – ESF, agravadas nos dois últimos anos com a ruptura democrática no país. Assinado pelo coletivo de pesquisadores da Rede o documento contém proposições para a superação dos desafios históricos da Atenção Primária à Saúde e o enfrentamento das ameaças presentes. Resultado de um amplo esforço coletivo, a agenda estratégica é parte da luta em defesa dos princípios do SUS e da consolidação de uma política universal, inclusiva e civilizatória em nosso país.

Acesse aqui a Agenda Política Estratégica para a APS no SUS

Para Allan Queiroz Barbosa, integrante do comitê gestor da Rede APS, a formulação da agenda estratégica mostra a capacidade propositiva de pesquisadores e pesquisadoras e seu sentimento e percepção do momento de consolidação da Atenção Primaria em meio aos contínuos e desacertados movimentos que visam seu enfraquecimento: – “A agenda mostra este firme propósito colaborativo de fortalecimento e valorização de uma saúde pública, gratuita e universal, é imprescindível que todos os espaços e fóruns de discussão sejam continuamente ocupados para demonstrar a relevância e necessidade do SUS e da APS”. Outra integrante do comitê gestor, Claunara Mendonça, pontua que neste ano em que a declaração de Alma Ata completa 40 anos, a posição brasileira de defesa da APS, num Sistema Universal de Saúde reforça os princípios que devem ser seguidos pelos países com sistemas de saúde orientados pela APS e enumera 3 pontos importantes: – “1 – A saúde e bem estar dos povos depende das políticas intersetoriais que respondam aos determinantes sociais da saúde; 2 – integração da rede de serviços, coordenadas pela atenção primária e 3 – uma sociedade com usuários e profissionais que defendam esses componentes. A força de trabalho da APS, que representa 40% dos trabalhadores do SUS, juntamente com a academia, os pesquisadores e gestores tem um papel definitivo nesse momento: nenhum direito a menos!”, conclama Claunara.

Leia aqui a entrevista com Luiz Augusto Facchini

Sonia Acioli, presidente da Associação Brasileira de Enfermagem (ABEn) – seção Rio de Janeiro e representante da Associação no comitê gestor da Rede APS, ressalta que no contexto atual de desmonte da educação e da saúde públicas, é fundamental que a Rede APS tenha conseguido formular coletivamente, uma agenda política e estratégica para a APS resgatando a essencialidade da APS integrada a um sistema público de saúde de acesso universal com financiamento e prestação públicos e, exigindo a revisão da Política Nacional de Atenção Básica publicada em 2017. Ela destaca ainda o fortalecimento da formação de profissionais de saúde para a APS integral e a promoção de estratégias para a qualificação docente em todos os níveis de formação dos profissionais de saúde: – “Nosso papel é de luta, resistência e vigilância, pela manutenção dos direitos à educação e a saúde, pelos princípios do SUS como política universal e inclusiva. Para isso, faz-se necessário o fortalecimento dos espaços democráticos de participação e controle social e também das entidades representativas de áreas profissionais da saúde que historicamente lutam pela consolidação do SUS e da APS no Brasil”.

Leia aqui a entrevista com Ligia Giovanella

Para Ana Luiza Queiroz Villasbôas é importante destacar a essencialidade do papel do Agente Comunitário de Saúde na produção do conhecimento sobre as condições de vida da população adscrita a Unidades Básicas de Saúde, um dos pressupostos para o desenvolvimento de ações de promoção da saúde: – “Assim, a defesa da revogação da atual Política Nacional de Atenção Básica que indica, entre outros retrocessos, restrições ao trabalho do ACS, é um dos pontos principais desta agenda. Cabe a nós cabe a defesa intransigente dos princípios do SUS e, consequentemente, da APS resolutiva, de qualidade, integral e para todos os brasileiros. Essa defesa se expressa na produção de conhecimento em que se associe excelência acadêmica e compromisso social, definindo questões de pesquisa que contribuam pra elucidar as relações entre distintas modalidades de APS e seus efeitos sobre a saúde da população brasileira. A utilização desse conhecimento pelos profissionais e gestores de saúde pode se constituir em ferramenta potente para fortalecer a resistência ao desmonte do SUS”, alerta Villasbôas.

Na opinião de Sandro Rodrigues Batista, também do comitê gestor, o fortalecimento da APS no Sistema Único de Saúde só é possível quando existe participação dos diferentes segmentos envolvidos nesse processo: – “Os trabalhadores e pesquisadores da APS e do SUS têm um papel fundamental nesta construção, pela legitimidade e porque vivem/experenciam no dia a dia. A APS no SUS é uma grande conquista, uma grande inovação e a sua defesa precisa ser foco principal de pesquisadores e trabalhadores”.

A agenda política estratégica nasceu da elaboração coletiva dos pesquisadores da Rede de Pesquisa em APS no Seminário “De Alma Ata à Estratégia Saúde da Família: 30 anos de APS no Brasil – avanços, desafios e ameaças”, realizado na Escola Nacional de Saúde Pública em 20 e 21 de março de 2018 e foi revisada durante o 12º Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva. A Relatoria final foi feita pela Ana Luiza Queiroz Vilasbôas e a editoração e montagem pela Juliana Goulart Soares do Nascimento, Allan Claudius Queiroz Barbosa, Diana Carolina Ruiz e Valentina Martufi.

O documento foi construído por Adriano Maia dos Santos, Allan Claudius Queiroz Barbosa, Aluísio Gomes da Silva Jr, Amanda Fehn, Ana Angélica Rego de Queiroz, Ana Luisa Barros de Castro, Ana Luiza Queiroz Vilasbôas, Angélica Ferreira Fonseca, Ardigleusa Alves Coelho, Aylene Bousquat, Charles Tesser, Cláudia Santos Martiniano Sousa, Claunara S. Mendonça, Cristiane Spadacio, Cristiani Vieira Machado, Daniela Carcereri, Eduardo Melo, Elaine Thumé, Elaine Tomasi, Elisete Casotti, Elizabeth Fassa, Fernando Ferreira Carneiro, Gabriella Andrade, Gustavo Matta, Islândia Maria Carvalho de Sousa, Ivana Barreto, Jarbas Ribeiro, Lígia Giovanella, Lílian Miranda, Luciana Dias de Lima, Luiz Augusto Facchini, Magda Almeida, Marcelo Viana da Costa, Márcia Fausto, Márcia G. de Mello Alves, Márcia Teixeira , Márcia Valéria Morosini, Maria Guadalupe Medina, Maria Helena M. de Mendonça, Marilene Cabral do Nascimento, Monique da Silva Lopes, Nelson Felice de Barros, Nília Maria de Brito Lima Prado, Osvaldo de Goes Bay Júnior, Patty Fidélis de Almeida, Patrícia Chueri, Paulo de Medeiros Rocha, Rosana Aquino, Sandro Rodrigues Batista, Severina Alice da Costa Uchoa, Sônia Acioli, Vanira Matos Pessoa.