Médico espanhol Juan Gérvas apresenta propostas para a formação básica e continuada na APS

O espanhol Juan Gérvas, professor e investigador em cuidados de saúde primários e saúde pública e coordenador da Equipa CESCA de Madri, esteve no 36º Seminário de Inovação em Atenção Primária. O evento ocorreu em fevereiro deste ano no Rio de Janeiro. Antes da realização do seminário presencial, houve entre o dia 1º de janeiro e 24 de fevereiro debates virtuais relacionados à temática da formação básica e continuada em Atenção Primária.

Reproduzimos aqui um trecho resumo do seminário e dos debates, publicado na íntegra pelo professor no portal Acta Sanitaria no mês passado.

“Um médico é um profissional de saúde altamente qualificado que precisa continuar aprendendo por toda a vida, ser capaz de tomar decisões rápidas em condições de grande incerteza e de restrição de recursos e, geralmente, acertar. Esta definição aplica-se a todos os profissionais de saúde, de estudantes a residentes, farmácia, enfermagem, agente comunitário de professor universitário, médico rural ou urbano, etc. E de algum modo também os próprios pacientes e suas famílias na tomada de decisões sobre os cuidados para a saúde.”

“a formação refere-se ao ensino teórico / prático na prestação de cuidados que leva à melhoria dos cuidados e ao aumento da saúde dos pacientes e das comunidades. Neste sentido, vai muito além da “Medicina Baseada em Evidências”, que é muito limitada por seus interesses comerciais, sua ligação ao que é facilmente medível e sua escassa validade externa, bem como a sua tentativa de transformar profissionais em cientistas em vez de dar apoio científico à função chave de cura.”

“Remover” estudantes, residentes e profissionais de centros tradicionais de ensino, como salas de aula, centros de saúde e hospitais, e levá-los a outros lugares e ambientes para serem expostos a outras culturas e problemas diferentes e importantes. Por exemplo, a experiência de ensino na zona rural e em áreas remotas, em áreas de detenção (prisões, orfanatos, asilos, etc.), nas ruas, nas casas dos pacientes, na comunidade, etc. Outra maneira de “tirar” a formação de ambientes clássicos é introduzir tecnologias de comunicação para facilitar a aprendizagem descentralizada e compartilhada em redes. Trata-se de evitar os males endêmicos na formação: burocracia, esclerose e pessimismo.”

“Introduzir uma formação humanista e crítica, que promova valores profissionais e pessoais de sensibilização cultural e tão ampla, básicos e constantes como formação biológica e tecnológica para que os alunos, residentes e profissionais sabem mais do que apenas a medicina ( “o médico que só medicina sabe, nem medicina sabe “). Entre esses conhecimentos humanísticos estão os da antropologia, economia, ética, feminismo, filosofia e sociologia. A este respeito, é essencial para evitar o abismo cultural usual que separa subcultura médica e cultura popular, muitas vezes leva, por exemplo, o desprezo da espiritualidade e da doença viviam em formas populares.”

“Cultivar o profissionalismo para que o bem-estar e a autonomia dos pacientes e das comunidades sejam fundamentais e, ao mesmo tempo, a justiça social no sentido de equidade vertical e horizontal (…) A equidade é um valor central que justifica socialmente o trabalho dos profissionais de saúde e a existência de um sistema público de saúde com cobertura universal. Isso implica treinamento na autorregulação da profissão e no cumprimento de padrões de trabalho de qualidade, na exigência de atualização científica / técnica permanente, no uso racional dos recursos, na acessibilidade conforme a necessidade, etc. Neste profissionalismo, a formação interprofissional e a constante transferência de responsabilidade, autoridade e autonomia e trabalho em equipe é a chave”

“Incentivar o que é básico no atendimento clínico na atenção primária: o controle do tempo e o domínio da incerteza. Isso requer que o currículo oculto seja transparente e coincidente com o currículo formal, e que explique tais objetivos clínicos; também, que há treinamento que incentiva a prática baseada na ética da recusa e da ignorância. Por exemplo, supervisionando de perto o treinamento em ouvir pacientes, familiares e comunidades e na linguagem verbal e corporal que corresponde a uma Medicina Baseada na Cortesia, apropriada às circunstâncias de cada caso e local.”

“Evitar situações anti-pedagógicas que levem à rejeição da APS por estudantes, residentes e profissionais, e menor saúde dos pacientes e comunidades. Por exemplo, o desempenho excessivo de plantões hospitalares de emergência ou serviço rural obrigatório no pós-graduação. (Evitar) também a burocratização das atividades, porque o modelo a ser promovido é o oposto, de grandes desafios intelectuais para dar respostas efetivas às centenas de problemas distintos, típicos da atenção básica.”

“As sociedades científicas de cuidados primários (médicos de família, enfermeiros, farmacêuticos, assistentes sociais e outros) têm de aceitar e encorajar a sua participação na formação na graduação e pós-graduação e estar politicamente envolvidas para alcançar uma sociedade e um sistema de saúde mais equitativo, justo e eficiente.”

O relatório apresenta como conclusão que o treinamento em atenção primária deve apoiar os líderes clínicos que aceitem desafios intelectuais e práticos complexos, fornecendo respostas que sirvam como exemplos, porque eles melhoram a saúde dos pacientes e das comunidades.

Boa leitura!

 

inaiara

%d blogueiros gostam disto: