Rede APS - Rede de pesquisa em atenção primária a saúde

Saúde mais perto de você Abrasco
5416 cadastrados
Faça parte da rede APS!
Cadastre-se!

Instituições Apoiadoras

Tuberculose na rocinha: Análise de indicadores epidemiológicos e operacionais após a cobertura de 100% da estratégia de SF

A tuberculose ainda representa um grave problema de Saúde Pública, apesar de todos os esforços realizados para o seu controle. No Brasil, uma grande expectativa se coloca diante da possibilidade da descentralização da atenção aos pacientes com tuberculose para a Atenção Primária à Saúde, notadamente através da Estratégia de Saúde da Família e do Programa de Agentes Comunitários de Saúde. No município do Rio de Janeiro, a ampliação da cobertura da Estratégia de Saúde da Família vem sendo realizada desde 2009. Em 2010, a Rocinha, uma das maiores favelas do Brasil, localizada neste município, recebeu 25 equipes de Saúde da Família, reabsorvendo os agentes comunitários de saúde e enfermeiros que trabalhavam no Programa de
Agentes Comunitários de Saúde local, exclusivamente voltado para o controle da tuberculose. Realizou-se o estudo de uma coorte de casos de tuberculose de moradores da Rocinha, notificados entre janeiro de 2010 a dezembro de 2012, com o objetivo de calcular e analisar as tendências de indicadores epidemiológicos e operacionais do controle da doença, após a implantação de 100% da Estratégia de Saúde da Família nesta comunidade. As fontes de dados utilizadas foram o Sistema de Informação de Agravos de Notificação e o Sistema de Informações de Mortalidade, ambos obtidos junto à Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro. As informações populacionais tiveram como fonte o Censo 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística e estimativas populacionais do Instituto Pereira Passos. Os dados foram tabulados
com auxílio do Tabwin e analisados utilizando os pacotes estatísticos STATA 11.2 e EpiInfo 7. Os resultados demonstraram que as equipes passaram a notificar prontamente os casos. A proporção de cura de casos novos bacilíferos obtida foi de 78,5%, 75,9% nos anos de 2010 e 2011, com 19,1% de encerramentos ignorados em 2012, até o momento. Neste grupo, o abandono foi de 11,1% e 10,2% em 2010 e 2011, respectivamente.

Palavras-chave: Tuberculose; Indicadores epidemiológicos e operacionais; Estratégia de Saúde da Família.

Autor: Patrícia Barbosa Peixoto Durovni

Leia estudo –tuberculosenarocinha

 

ABRASCO - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE SAÚDE COLETIVA - Todos os direitos reservados - © Copyright 2015
Tel./Fax: +55 (21) 2560-8699 - 2560-8403 | E-mail: contato@rededepesquisasaps.org.br

%d blogueiros gostam disto: